domingo, 22 de novembro de 2015

Grey's Anatomy 12x08:Things We Lost in the Fire


Sobre não ser o sol.

domingo, 15 de novembro de 2015

Grey's Anatomy 12x07: Something Against You


A volta dos terrores noturnos.

domingo, 8 de novembro de 2015

Grey's Anatomy 12x06: The Me Nobody Knows


A difícil arte da superação.

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

Grey's Anatomy 12x05: Guess Who's Coming To Dinner


Indigesto.

sábado, 17 de outubro de 2015

Grey's Anatomy 12x04: Old Time Rock and Roll


Para amar e para odiar.

segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Grey's Anatomy 12x03: I Choose You


A vez de Alex Karev.

domingo, 4 de outubro de 2015

Grey's Anatomy 12x02: Walking Tall


A diferença do sucesso dos outros sou eu.
Quão maravilhoso é assistir a esse episódio de Grey’s Anatomy em que o retorno de NATZI era mais do que certo e perceber o quanto Miranda Bailey evoluiu? Não foi sem saudade que me lembrei dos tempos em que ela, sem meias palavras, tocava o terror com os internos, fazendo da vida de Meredith, Cristina, Izzie, Karev e O’Malley um verdadeiro martírio. Lembro ainda, do dia em a mesma Bailey encerrou de vez esse papo de Natzi. Não lembro a fala exata, mas era algo sobre a grande ofensa que o termo representava para ela, já que a comparação com Hitler, um homem que promoveu horror, sofrimento e preconceito, era uma das piores coisas possíveis.

Desde então, Bailey era apenas Bailey. Ainda não dava moleza, mas a visão dos internos mudou. A verdade é que ter um chefe como ela, que exige e que ensina, é algo que define a carreira das pessoas e que as leva a outro patamar. Ela seguiu bastante o exemplo de Richard e agora que conquistou seu maior sonho, Bailey é a primeira mulher a liderar a equipe daquele hospital e, ao Aldo dela, tantas outras mulheres comandam com talento seus próprios departamentos. Eis aqui uma alegoria do que desejamos. Está sim longe da realidade, mas é por enquanto. As mulheres mostram cada vez mais do que são capazes, em todos os sentidos.

É por isso que esse é um episódio simbólico. O tempo todo vemos a nova Chief entre a determinação e a dúvida. Será que, depois de tudo, ela não era a escolha certa? Ela não estava pronta? E a verdade surge com simplicidade. Richard e Owen não eram melhores, eles contavam com Bailey e todo seu profissionalismo. Quando ela percebe isso, sabe que o caminho é cercar-se de alguém igualmente competente e Meredith, que também vem trilhando um caminho de luz própria, parece a escolha perfeita para completar o quadro de líderes femininas no hospital.

Um ponto interessante, de fato, veio de Richard. Ele acredita tanto em Bailey (bom, não queria mencionar, mas vou, o lapso do episódio passado,quando ele quase sucumbe pela novata, mas enfim...) que quer fazer parte desse processo. A experiência dele já se mostrou mais que necessária, em diversas ocasiões, então é natural que ele sinta essa vontade de ser consultado, inclusive, porque ele ama bancar o mentor, mas não quer impor nada nesse momento.

A equipe reage ao “novo regime” com certa resistência, mas é também natural que o novo líder, mesmo como parte do grupo, tenha que se colocar numa posição que seja boa para todos, sem agredir a independência de ninguém. Para tanto, o caso da semana veio bem a calhar. No meio do caos e de opiniões conflitantes, os médicos conseguiram trabalhar em conjunto e salvar a vida da paciente.
No quesito drama de casal, eu gostaria de entender qual é o problema de Amelia. Qual é, afinal, a confusão, quando um cara fica correndo atrás de você e te querendo mesmo quando você finge que ele não existe durante boa parte do dia? Acho engraçado e irritante ao mesmo tempo, porque fico pensando em nome de comunidade do Orkut para resolver a parada: Cala a Boca e Beija Logo, Amelia.

Quando o assunto é Kepner e Avery, a confusão continua e ela não entende o motivo de o marido estar tão descrente. Sou a favor do que Kepner fez ao se afastar e ir se curar da forma que precisava, porém, não é possível fazer o que se deseja e simplesmente não esperar por consequências, afinal, a decisão dela colocou sim, o casamento numa espécie de geladeira. Obviamente, vem reconciliação por aí e não sei se vai ser assim, digamos, interessante. A equipe de roteiristas vai ter que se esforçar nessa.

Completando, confesso que senti um grande prazer ao ver Callie feliz e empolgada com seu novo romance enquanto Arizona tenta bancar a amigona que aguenta ouvir de tudo. Só espero que NUNCA MAIS JUNTEM AS DUAS.  Foi o casal mais desgastante da série, conseguindo superaro ciclo vicioso de Owen e Cristina e o marasmo bobo de Derek e Meredith.

E não podemos esquecer que Karev agora tem competição. O novo interno com cara de bebezão é o rei da cantada ruim, mas parece fofo.  Não vai dar em nada na prática, mas pelo menos, parece que teremos alguma diversão vindo por aí.


P.S*Stephanie truqueira demais. Merece um prêmio.